Nem dengue, nem febre amarela; saiba as doenças que mosquitos podem provocar nos animais domésticos

A epidemia de dengue assusta. Mas ela ameaça também nossos animais domésticos? Esse é o tema da semana da coluna Pets GTD.

Katia Simoes Refaxo

redacao@guarulhostododia.com.br

Imagem de Fran • @mallorcadogphotography por Pixabay

Publicado em 27/04/2024 às 20:26 / Leia em 2 minutos

Em tempos de dengue e febre amarela, muitas pessoas perguntam se os nossos pets estão a salvo de doenças transmitidas por mosquito. Infelizmente, não. Mas as patologias são diferentes,

Animais domésticos não são infectados nem pela dengue, nem pela febre amarela, nem pela chikungunya. Mas há mosquitos que podem transmitir dirofilariose e leishmaniose,  tanto para humanos quanto para os animais. Estão entre as chamadas zoonoses. Felizmente, Guarulhos não é considerada uma área endêmica para essas doenças. Ou seja, não é uma das áreas em que essas doenças são registradas com frequência. Geralmente, os animais acometidos e diagnosticados em nossa cidade foram infectados fora daqui. 

A dirofilariose, também conhecida como “verme do coração”, é causada pelo parasita Dirofilaria immitis, através da picada de várias espécies de mosquito, inclusive o Aedes aegypti. Após a picada, o parasita, através da circulação, se instala no coração dos cães, causando distúrbios circulatórios, tosse, cansaço, perda de peso.  Nos humanos, geralmente acomete pulmões e é considerada uma zoonose emergente, porque ainda há poucos relatos. Apesar de raro, o parasita também pode afetar gatos, com os mesmos sintomas registrados nos cachorros.

A leishmaniose ou calazar, é causada por um protozoário do gênero Leishmania, transmitido pelo mosquito palha. Pode se manifestar de duas formas: a leishmaniose visceral e a tegumentar, que acomete pele, cabelo e unha. Ela provoca o aparecimento de feridas, crescimento exagerado das unhas, além de emagrecimento, aumento de gânglios e febre. Já a leishmaniose visceral provoca aumento de órgãos internos, emagrecimento e dor abdominal.

Se o seu animal veio de áreas endêmicas ou você viajou com ele para uma dessas áreas, fique atento a esses sintomas e, se necessário, procure um veterinário. No Brasil, o maior número de casos é registrado nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

A maneira mais eficaz de evitarmos todas essas doenças é o controle rigoroso dos mosquitos e, nos cães, o uso de coleiras repelentes, principalmente em viagens.

A Dra. Kátia Simões Refaxo é médica veterinária e atende exclusivamente em domicílio. Contatos: 11 – 9 9585 8905

Leia mais: Nem dengue, nem febre amarela; saiba as doenças que mosquitos podem provocar nos animais domésticos

Abril: mês de prevenção contra crueldade animal

Compartilhe

Siga o Guarulhos Todo Dia

Siga no Google News

LINHA 19-CELESTE

Projeto do Metrô em Guarulhos inclui túnel na Paulo Faccini com a Tiradentes

DIÁRIA CARA

Sob risco de leilão: 7.889 veículos estão apreendidos em pátios do Detran em Guarulhos

PROGRAMA ESTADUAL

7 escolas de Guarulhos querem ser cívico-militares; entidades tentam vetar projeto

CHAPA PURA

Eleições 2024: Márcio Nakashima (PDT) terá Josinaldo Cabeça como candidato a vice

VEJA COMO DENUNCIAR

Acidentes com balões na rede elétrica afetaram 453 casas em Guarulhos em 2024

ESQUEMA CRIMINOSO

Entenda o golpe do Pix errado e saiba como não ser enganado

Nomes nas urnas

Eleições 2024: partidos de Guarulhos começam a oficializar seus candidatos

LESÃO CORPORAL CULPOSA

Trânsito está mais violento em Guarulhos: Acidentes com feridos crescem 38% em um ano

ANTIGOS ADVERSÁRIOS

Eleições 2024: Elói Pietá (Solidariedade) terá Fran Corrêa (MDB) como candidata à vice

CHAPA DEFINIDA

Eleições 2024: Waldomiro Ramos (PSB) terá Claudia Papotto como candidata à vice

ENTENDA O CASO

Jardim Álamo protesta contra mudanças na rodovia Presidente Dutra

Quem vota na cidade

Conheça o perfil dos eleitores de Guarulhos que vão votar este ano